domingo, 20 de maio de 2012

Como ajudar pessoas ou seres que morreram!

Bom dia, caros leitores do blog. Acredito que esse tema seja infinito, pois existem diversas formas eficazes de beneficiar os seres que morrem. Sempre que puder, estarei postando as coisas mais importantes. Mas tenho certeza de que jamais esgotarei o assunto.
Obviamente a capacidade de beneficar de forma eficaz alguém que morre ou morreu depende enormemente de quem tenta ajudar. Depende diretamente de nossa relização espiritual. Por isso, antes mesmo de querermos ajudar pessoas ou seres que morrem devemos poder nos ajudar. Devemos nós mesmos termos as realizações necessárias para que o efeito seja visível, e deixem sinais claros, para que saibamos que nossa ajuda foi realizada. Do contrário, suas práticas ficam subjetivas. Ficam no espaço da especulação, praticamente sem meios de avaliar a eficácia. Esse texto serve para uma pessoa que você ama em especial, serve para animais de estimação, ou para aqueles que nem mesmo conhecemos, mas tivemos empatia.
O fator mais poderoso e eficaz para beneficar quem morre, é compaixão. Amor. Um amor sincero. Essa é a maior de todas as forças, e a mais eficaz de todas elas. Mesmo sendo clarividente, se você não tiver compaixão, não disporá de ferramenta necessária para acessar o ser que morreu, e se conseguir, não irá beneficiá-lo. Poderá no máximo fazer uma comunicação com ele. Claro, se dessa comunicação vier algum bem, é válido de certa forma. Meu mestre sempre fazia isso. E levei muito tempo para perceber, por mais simples que possa parecer. Sempre que ia dar um retiro, onde ensinaria técnicas para essa função em especial, ele passava 90% do tempo ensinando apenas a sentir compaixão. Como cultivar esse sentimento. Nos últimos instantes, ele dizia:
"ah é...preciso ensinar o ritual, então, faça isso...faça aquilo...e pronto".
A maior parte do tempo tinha sido investido nisso. De repente praticamente não tinha detalhes da técnica em si, pois o ponto essencial não é esse. Com o tempo, percebi que mesmo pessoas realizadas, e algumas sem realização espiritual, mas portadoras de habilidades únicas como clarividência ou audição, etc.. não conseguiam sinais adequados, sinais auspiciosos de que a prática foi bem sucedida, quando faziam algo para uma pessoa falecida. A maturidade me mostrou que faltava compaixão. E tenho observado isso sempre. Não importa quanto você queria ajudar. Não importa se passa horas chamando por um nome, ou Deus. As únicas práticas que tenho visto serem eficazes é possuir realização espiritual e amor, compaixão, aliados a um sucesso nos treinos.
Não é que outras práticas sejam ruins, ou desnecessárias. Apenas são paliativas. Relativas. Conforme, veremos no decorrer do texto, elas são úteis sim, por favor, entenda isso. Do contrário, poderá criar um paradoxo inexistente de fato. Mas, a verdadeira ajuda e a mais eficaz necessita muito mais do que isso. Sempre faça tudo o que puder, colocando-se no lugar do ser que necessita.
Percebi em outros momentos que pessoas nem sempre qualificadas (com realizações em rituais), mas portadoras de uma profunda compaixão pela pessoa que morria, conseguia sinais claros e poderosos de que conseguiu beneficiar a pessoa necessitada, mesmo que em proporções menores. Mesmo que nem sempre a pessoa soubesse desses sinais, e nem mesmo esperasse por eles. Ou soubesse o que fez exatamente dar certo. Isso mostra quão poderoso é esse meio, esse sentimento, chamado compaixão, amor. Hoje em dia, costumo dizer que se você fracassa em qualquer exercício espiritual, provavelmente seu erro número um deve ser falta de amor, de compaixão(além de preguiça). Pergunte-se por que faz esse exercício de verdade? Por que quer se realizar nele? O que fará, quando conseguir executá-lo? Ao buscar respostas para essas perguntas, descobrirá a raiz de sua falta de sucesso. É notável o fracasso de pessoas que se empenham em magia ou em cultos religiosos buscando satisfações pessoais, egoístas, de natureza apenas material, sem benefício para outros seres. A prova é tanta, que precisam ler algo para conhecerem a palavra de Deus, pois seus ouvidos estão surdos para sua voz. Logo, não possuem qualquer outra forma de fazer isso. Se eu posso falar com o autor, por que iria me contentar em apenas ler seus escritos? Até podem encontrar um sinal ou outro. Você até conhece casos de pessoas que obtém algumas coisas, etc. Mas, sempre há limites nisso. E quase sempre as causas não são exatamente o que o praticante pensa ser. Tente inserir, em todos os momentos e oportunidades possíveis, o amor em suas atividades. Quando for treinar visão, por exemplo, dedique alguns minutos, pensando nos seres que morreram. Que sofrem. Com o desespero. Medo. Pânico. Tudo o que podem sentir. Seres que precisam de clarividentes como você, que os aceitam como são, e buscam ajudá-los sem qualquer tipo de interesse egocêntrico. Queira, de verdade, poder fazer algo por eles, mesmo que apenas conversar com eles. Se sentir esse amor profundo brotar em você, sincero, desinteresseiro, uma mágica ocorrerá em sua vida. Com a bênção de seu mestre, e com amor por todo e qualquer ser que possa sofrer, independente de sua situação, os exercícios ficarão mais fáceis. Os sinais virão com certeza absoluta.
O mais importante no momento em que a pessoa está morrendo é não ser pertubada. Em hipótese alguma, pertube essa pessoa. É muito importante isso, pois isso está diretamente relacionado com seu futuro renascimento. Procure deixar o ambiente o mais normal possível. Sem gritaria, sem estresse. Se você possui treinamento adequado por um mestre, e já possui algum tipo de realização, use-os nesse momento. Liberte-a. Faça os ritos e só pare até que os sinais surjam de forma óbvia. Evite tocar a pessoa, principalmente em área ou regiões como pés ou membros. Esse é o momento mais poderoso para isso, portanto, não disperdice-o. Se não possuir nenhum tipo de treinamento nisso, evite atuar nesse momento. Espere a morte se consumar, e então inicie seus ritos. Aqui as habilidades exigidas são para praticantes de médio e mais alto calibre. Pessoas que de alguma forma já conseguiram ir em reinos puros, ou os chamados céus todo dia quando treina, ou pelo menos possui já um convívio com seres dessa natureza, estão aptos a entrarem em ação. Que possuem vínculos com seres que estão nos céus. Pois saberão quando a pessoa lá estiver, tendo todos os sinais de que precisa. Por isso a importância do treinamento pessoal. Um ser comum, sem qualquer tipo de treinamento, ou alguém com muito treinamento e sem sucesso algum neles, nada poderá fazer nessas condições que possa fazer esse ser renascer imediatamente, e com certeza, em reinos superiores. Mesmo religiosos de qualquer natureza. É sempre bom fazer preces, e ritos, mas nesse momento, em que a morte está ocorrendo, só serão eficazes no sentido de acalmarem a pessoa. De gerar um ambiente repleto de crenças que a pessoa tinha, quando viva, tornando o meio adequado para morrer. Porque fora isso, nenhum líder religioso poderá fazer muito, se ele mesmo não tiver essas experiências em sua prórpia vida. De fato, qualquer um que queira ser útil, estará nessas condições.
Se você nunca viu o céu, não poderá guiar alguém até lá. Mesmo que tenha sido muito devoto, tenha fé, etc..a única coisa que pesa nesse momento são experiências. Nada mais.
Não faça isso para impressionar pessoas com seus conhecimentos, nem com rituais. Jamais aja tendo algum fim além de ajudar quem morreu. Isso além de não ajudar em nada, impede que você venha a ter sucesso, e ainda por cima, cria karma destrutivo. Se a pessoa que morre não for tolerante com práticas especiais, não deixe-a saber o que está sendo feito.
Mas e se eu não possuo qualquer tipo de experiência real e autêntica nesse ramo? E mesmo assim quero ajudar? Aí está a ajuda relativa.
Então, mostrarei algumas práticas muito poderosas, que todos podem usar. A primeira delas é gerar mérito, virtude, energias positivas, para a pessoa ou ser. Podemos fazer isso com uma prática já explicada chamada oferenda. Essa é definitivamente uma das práticas mais poderosas. Pegue os bens da pessoa e doe para os necessitados, pobres, sem qualquer tipo de interesse nisso, apenas tendo em mente que a pessoa se beneficie desses méritos, dessa virtude. Para potencializar isso, chame seu mestre, e diante dele, dedique qualquer virtude que tenha obtido com isso, para a pessoa. Que qualquer karma adquirido com isso, vá para a pessoa.
Outra forma muito eficaz é dedicar seus próprios méritos, para a pessoa. Até porque, se você não possuir realizações, não saberá se a pessoa falecida precisa de méritos para ter um renascimento melhor, num reino superior. Mesmo que ela vá renascer humana, é tão difícil conseguir uma boa família, um bom país, um bom corpo dotado de qualidades que permitam a pessoa prosseguir. Enfim, isso é feito da mesma forma. Quando tiver comida, quando sentir um momento feliz por estar na presença de amigos e pessoas amadas, quando sentir felicidade, ofereça esse mérito alcançado para quem precisa dizendo o nome completo que o ser tinha, da mesma forma que antes, diante de seu mestre. Qualquer coisa pode ser oferecida. Sempre há o que se oferecer. Se você tiver compaixão de verdade, seus méritos, virtudes e merecimentos irão para a pessoa. Quando estiver com dor, doente, ou abatido, ofereça sua paz, seus momentos felizes, o resto de saúde que tiver para a pessoa, e tome dela todo karma ruim que poderia gerar a mesma doença que você tem em vidas futuras para ela. Diante de seu mestre:
-"Que ao sentir essa dor, eu receba toda a dor de fulano(dizer o nome completo da pessoa), deixando-a livre de uma dor tão intensa. E, que todo o resto de saúde que eu possa ter, felicidade e paz, sejam dados à ela. Que eu sofra para que ninguém mais possa sofrer disso novamente."
Se tiver amor verdadeiro, isso de fato ocorrerá. Você vai ajudar esse ser a se tornar mais feliz, mesmo que temporariamente. E os méritos que você gerar com isso, irão para ela. Assim, você cria causas, condições, cria karma e leis para que num futuro, ela possa se tornar mais feliz. O que será feito depende de sua maturidade. De sua competência. Reze, faça preces de acordo com sua religião para esse ser. Envie vibrações positivas, e ofereça o karma gerado com isso para ela. Que todo karma bom gerado seja dado à ela. Não importa mesmo o credo ou religião que você professa, essa tem sido minha observação no dia-a-dia. Mas importa que a pessoa tenha vivência, seja espiritualizada. Caso você não seja, peça para alguém, que você conhece que seja assim, fazer isso por você.
Se perceber, esses últimos métodos são eficazes, porém não são de forma plena. Não é absoluto. O ideal é a verdadeira realização espiritual, adquirida com o treino. Porque o que esses meios podem fazer é gerar boas condições, que podem a vir beneficiar a pessoa. Mas e depois? Essa pessoa viverá bem? Não há como você saber, pois um novo ciclo recomeça, e dependerá dela. Não é uma liberdade de fato, entende? Mas, perceba, é uma ajuda. Dar comida, não impede alguém de ter fome amanhã, de fato, o ideal é ajudar a pessoa a ter seu próprio sustento. Contudo, melhor ajudar pouco, do que nada. Ajuda na proporção que você pode. Melhor do que renascer como fantasma, ou no inferno, concorda? Se ela já tiver renascido? Essas práticas poderão ajudá-la mesmo assim. Mesmo que faça anos que issso tenha ocorrido. Ela pode estar doente. Sofrendo. Pode estar tendo obstáculos à sua maturidade e evolução pessoal. E isso que você faz, ajudará ela. Pense assim:
-"Cada prática dessa que eu fizer é como uma quantia de água inserida numa caixa. Quando essa caixa se preenche, algo de bom ocorrerá com a pessoa. Então a caixa esvazia, pois a energia foi usada. "
Então, se não continuar a fazer práticas para ela, não adiantará muito. Por isso, em algumas culturas, há cultos aos ancestrais. Esses cultos visam exatamente isso. Enquanto você faz isso, a caixa estará sempre cheia ou pelo menos com algo dentro, nunca vazia.
Supondo alguém cuja vida tenha sido repleta de maldade, e renasceu no inferno. Apesar dessas práticas não poderem evitar isso(como o treinamento espiritual poderia) quando ela morrer no inferno, após alguns eons lá(o tempo no inferno é diferente do tempo humano), ao morrer no inferno, ela volta a buscar renascimento em outros mundos. E supondo que você tenha visão espiritual e veja isso, talvez acredite que não foi benéfico isso que fez, pois não mensurou o resultado. Isso não é verdade. Quando a pessoa purificar o karma que a fez renascer no inferno, terá outra chance, e ela precisará de todo apoio que tiver e puder para recomeçar. É aí que sua prática entra. Essas energias estarão lá para poder ajudá-la. Que maravilhoso isso é. Quão reconfortante é. Tome cuidado com os sinais que obtém. Por isso só um mestre consumado pode compreender totalmente. Por que? Quando você obtém algum sucesso em exercícios como visão, isso não purificou seu karma. Ainda enxergará as coisas de forma distorcida, entende? Seus karmas continuarão a distorcer isso tudo, impedindo que você consiga mensurar realmente o que observa. Como no exemplo acima, ao ver a pessoa no inferno, você pode pensar que as práticas de nada serviram. Mas, futuramente, essas condições geradas por você irão produzir frutos. São como sementes. Quem sabe não é exatamente isso que gerará condições para esse ser no inferno morrer, e renascer humano? Quão maravilhoso seria isso. Todo ato virtuoso por menor que seja é válido. Jamais deixe de praticá-lo apenas porque não vê frutos. Jesus disse:
-"O plantio é facultativo, mas a colheita é obrigatória".
Algumas pessoas não entendem isso. Se a pessoa gerou causas em seus atos passados, ela terá que vivenciar as consequências deles. Não há como impedir, após as condições estarem presentes para consumação. Você pode ajudar de forma relativa sim, mas não absoluta, nesse caso. Isso é a justiça cósmica. Algumas pessoas sofrem, e vão em seitas ou igrejas falsas buscar ficar imunes a esses sofrimentos eventuais, e não percebem que isso é uma mentira. Se seu sofrimento sumir, não foi o culto em si, necessariamente, que ajudou. É preciso estudar as leis que você colocou em ação para poder afirmar isso. Na maioria das vezes, tenho observado, que nesses casos o que ocorre é que a energia que produzia os efeitos foi exaurida, ou que nessa ou em vidas anteriores, a pessoa criou alguma virtude capaz de cessar isso tudo, da mesma forma que criou a energia que produzisse isso tudo. Se ainda existirem causas criadas para esse sofrimento(karma) nas condições ideais para sua plenitude, pode ir onde quiser, rezar para quem quiser, nada mudará o fato pelo qual você passa.
Já comentei isso num artigo aqui do blog, para mais detalhes. Por isso é tão importante o treino para ajuda absoluta. Porque com o mestre certo e uma linhagem boa você pode purificar esse karma de fato. Ignore o "externo". Poderá inclusive ouvir:
-"Você faz isso, e aquilo e está cheio de condições ruins em seus caminhos".
Aquela pessoa é má, e possui isso, aquilo, etc. Isso é ignorância das leis que regem nosso universo. De qualquer forma, uma ajuda relativa, mesmo que temporária sempre é bem vinda. O que quero, é que pessoas sejam livres pensadoras, e descubram por si mesmas o que rege o universo, essas leis que promovem a justiça cósmica. Entender seus funcionamento.
Algumas práticas específicas aos mortos produzem excelentes efeitos. Tenho observado que oferendas de velas, lamparinas, flores, incenso, comida, etc. possuem enorme poder de ajudar os mortos. Principalmente quando as comidas são queimadas. Mas existe um probleminha. Pude observar que nos livros antigos de necromancia há várias passagens sobre a comida dos mortos. As tradições sempre giravam em torno de queimar esses aliementos. O que tenho observado é que em rituais específicos para isso, a pessoa falecida( falecida a um mês ou menos)só consegue se beneficiar deste alimento caso seja dedicado especificamente à ela. Se fizer mais de um mês da sua morte, isso é menos relevante, e pode ser feito de forma genérica, inclusive, em pratos dedicados para ela.
As velas são muito, muito eficazes. Muitos espíritos se beneficiam disso. Principalmente quando estão em trevas. Assombrados por seus próprios medos, e projeções. Ou mesmo sendo atormentados. Peça que a chama ilumine a consciência da pessoa. O incenso e as flores são muito bons, pois geram paz, e um ambiente muito aconchegante para quem morreu. Uma atmosfera mais positiva, e quando se está desprovido de um corpo, isso possui um poder que só quem passa por essa situação pode entender. Seus sentidos estão muito apurados nesse momento. Outras oferendas são positivas também. Mas especificamente para quem morreu, essas parecem mostrar resultados mais rápidos e eficazes, pela minha experiência.
Algumas pessoas podem perguntar:
-"E as pessoas treinadas em magia?"
A resposta é simples. Não precisam de qualquer tipo de prática para elas, não importa o modo como vieram a falecer. Elas aprenderam enquanto vivas a cuidarem de si mesmas. Treinaram e chegaram à constatação de tudo isso, e experimentaram por si mesmas. Mas por que então alguns praticantes fazem ritos para seus mestres? Bom, os ritos não são para o mestre em si se libertar. E sim, para as atividades de seu mestre. Um bom discípulo quer que seu mestre encontre um caminho livre de obstáculos, onde ele decidiu renascer. Para que possa dispor de tudo aquilo que precisa, para poder beneficiar o máximo de seres possíveis. Muitas vezes, é para saber onde o mestre renasceu. E que possa ser reconhecido assim que possível. Então, para um mestre, essas práticas são absolutamente relativas, pois não há qualquer tipo de necessidade, em termos absolutos. No momento da morte, Jesus iria ter um rito fúnebre completo, inclusive com prévia autorização pessoal dele, quando pediu que Maria Madalena guardasse o óleo para unção de seu corpo. Nenhum discípulo em sã consciência faria um rito para ele se libertar. Esse rito foi mais no sentido de receber a bênção do mestre, para que sua linhagem prosperasse, para saberem onde ele renasceria(pois renasceu uma vez mais na terra), e assim por diante.
Tenho observado diversas tradições, e com isso aprendi muito. Além do que, a necromancia tem muito material que permite esse acesso. Há culturas onde há essas oferendas aos ancestrais. Aqui, como faz muito tempo após a morte, ela pode ser menos formal. Veja um exemplo do Cheng Ming, feito na China:

Isto é extremamente benéfico, quando feito com compaixão. No México, há regiões onde a morte é festejada, e inclusive, utilizam esses meios citados nos livros de magia, antigos:

Acho muito bonito. Isso me leva à reflexão. Como eles descobriram isso? Teriam eles realmente entrado em contato com os falecidos e aprendido com eles, como os antigos iniciados fizeram? Eu acredito que seres iluminados nascem em diversas épocas e regiões, levando consigo uma tarefa de beneficiar o máximo de seres possíveis, e acabam deixando um pouco da luz nas regiões onde passam.

Vemos nas tradições muçulmanas isso se manifestar de forma perfeitamente eficaz:

Essa tradição inclusive merece mais créditos. Pois foi feita de forma bem planejada, e desinteressada, além de um grande número de pessoas que se preocuparam com outras, e em alguns casos, nem mesmo conheciam. No caso do memorial acima. Isso é um ato admirável, e só merece respeito. Pessoas dedicando seus tempos pessoais para tais metas. Só posso ficar feliz e rejubilar. Sem tirar o fato de que a doutrina católica em geral, shintoísmo, arte mahikari, etc. usam muito disso dentro de seus sistemas.
Nas religiões africanas, isso também é usado. É o culto dos ancestrais, que em Yorubá se chama Egungun:

Talvez existam algumas seitas ou religiões, que imersas na ignorância, discriminem. Isso só mostra quanto desconhecem de fato o mundo espiritual. E quanto mudarão de ideia quando eles se tornarem as pessoas que se beneficiarão disso. Eu tenho visto esses rituais e oferendas ocorrerem em absolutamente todas as tradições.

Isso mostra que Deus é um pai generoso, bondoso, e acima de tudo, amor. Tem ensinado todos os povos a trabalharem juntos, rumo a um mundo melhor. Não sei exatamente como essas práticas mágicas chegaram em tantos povos distintos, mas tenho minhas teorias. Além de minhas crenças. Escrevi esse texto baseado em minhas práticas pessoais, e experiências. Apenas espero que esse texto sirva de inspiração e incentivo para que todos possam se beneficiar dele. Tanto os que lêem, quanto aqueles que dele precisam.
Referência Bibliográfica:
-imguol.com/2012/03/29/mulheres-colocam-velas-e-flores-em-memorial-durante-vigilia-em-el-cajon-na-california-para-lembrar-a-morte-da-iraquiana-shaima-alawadi-por-espancamento-1332999285198_956x500.jpg
-cozinheiromexicano.files.wordpress.com/2012/02/ofrenda1.jpg
-http://www.revistaxire.com.br/web/?p=1387
Há ainda um tópico específico de Referência Bibliográfica, favor consultar!